A influência da ferrovia no movimento pendular moratense

A rede de transporte sobre trilhos da CPTM conta com 260,8 km de extensão e 89 estações em operação, distribuídas em seis linhas, atendendo 22 municípios da RMSP . A partir dos anos 90, a CPTM assumiu o controle do transporte sobre trilhos na RMSP e completou a unificação do sistema de transporte sobre trilhos, que herdou da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e da Ferrovias Paulistas S.A. (Fepasa).

É evidente que o mercado de trabalho da cidade está fora dela e esse tem relação direta com o meio de transporte ferroviário, que assegura a possibilidade do deslocamento diário e de grandes distâncias. É mais seguro quando comparado com o Rodoviário.

A cidade apresenta inúmeros problemas de empregabilidade. Por isso a atividade econômica da população está voltada para a Metrópole Paulistana, local que acolhe diariamente a força de trabalho moratense e parte dos estudantes. É notável a dependência econômica dessa cidade, de modo que a sua ligação é estabelecida pela ferrovia.

“o conjunto de municípios integrados econômica e socialmente a uma metrópole, principalmente por dividirem com ela uma estrutura ocupacional e uma forma de organização do espaço característica e por representarem, no desenvolvimento do processo, a sua área de expansão próxima ou remota” (GALVÃO et al., 1969, p.56)

Esse fluxo diário, principalmente de pessoas entre o local de residência e local de trabalho exige um adequado serviço de deslocamento. É claro que esse deslocamento diário da população economicamente ativa existente em Francisco Morato não é exclusividade deste município, mas é um fenômeno urbano que se destaca na região.

Segundo o , IBGE, de acordo com o Censo 2000, 7,4 milhões de pessoas trabalham ou estudam fora do município de residência. A cidade contribui com essa estatística por estar próximo da região metropolitana institucionalizada, como a de São Paulo.