Francisco Morato 
Resumo Histórico

foto: https://servicodados.ibge.gov.br/api/v1/resize/image?maxwidth=600&maxheight=600&caminho=biblioteca.ibge.gov.br
/visualizacao/fotografiafs/GEBIS%20-%20RJ/sp47343.jpg

Breve História da cidade de Francisco Morato "Este trem presta serviços até a estação Francisco Morato” – em seguida um apito sonoro indicando o fechamento das portas!!! Provavelmente todo moratense já ouviu este anúncio nos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Com isso, podemos discutir e analisar que além dos trens “prestarem serviço” até a cidade, há meio século eles ajudaram constituir esta cidade. 

Antes das ferrovias, as cidades pelo Brasil estavam voltadas para rios e estradas, que eram os importantes meios de comunicação entre as regiões. Com o surgimento das ferrovias, as cidades se voltaram para as estações. Em zona urbana, a ferrovia apontava para o crescimento do espaço, atraía centros comerciais. A construção de importantes cidades pelo interior de São Paulo é fruto, em alguns casos, da existência da ferrovia. Mais tarde, com a explosão econômica no Estado, as rodovias passariam a definir novas formas de ligações entre regiões. A instalação de ferrovias em São Paulo promoveu profundas alterações em sua paisagem, dadas pelos loteamentos que abrigavam a elite paulistana que acolhiam trabalhadores. Construções de alvenaria substituíram as de madeira. 

O entorno das estações atraíam moradias, mercados e oficinas. O elevado crescimento urbano nas regiões periféricas da Grande São Paulo fez com que ocorressem maiores investimentos em transporte público, em especial no transporte ferroviário que passou a transportar diariamente grandioso número de passageiros com destino ao trabalho ou outras atividades. Como a demanda pelo serviço crescia constantemente, o sistema ferroviário para transporte de passageiros contou com inovações tecnológicas como o uso de energia elétrica. Por ação governamental, houve ampliação a partir da década de 40. As atividades urbanas se intensificavam próximas ao entorno das estações ferroviárias, uma tendência mantida até os dias atuais. Esse processo é observado na formação e caracterização do município de Francisco Morato. O centro comercial da cidade está concentrado em uma rua principal: a Rua Gerônimo Caetano Garcia. Atualmente, a estação de Francisco Morato não mantém em sua estrutura características do passado, como ainda ocorre em outras estações da Linha 7/Rubi da CPTM, Jundiaí, Perus, Jaraguá, construídas em mesma época com arquitetura inglesa, porém com diferenças estilísticas. No entanto, a influência da estação de trens para organização da cidade é notória, principalmente pela circulação e direcionamento do fluxo de pessoas, além do posicionamento do comércio, que há aproximadamente um século se mantém. As ocupações foram mantidas e novas construções foram realizadas próximas à estação ferroviária de Francisco Morato, mantendo a tendência de centralização das atividades econômicas ao seu redor, sendo esta uma área valorizada comercialmente. 

Pode-se afirmar que, nos últimos cinquenta anos, a existência da ferrovia para o município tem sido vital ao seu desenvolvimento, diferenciando-se do que ocorreu com a economia paulistana, voltada para a industrialização. Nem sempre, as cidades possuem um projeto urbanístico planejado, fazendo com que a paisagem urbana se dê em função da regra de produção social e econômica do espaço. O município de Francisco Morato é um exemplo dessa realidade, pois a influência real da ferrovia, na dinâmica do município, torna-se mais efetiva na determinação de sua morfologia do que os Planos Diretores. Assim, o município de Francisco Morato apresenta configurações, como muitas cidades-estação, que geram uma ligação entre as vias de transporte regional e o crescimento físico das cidades. Ao provocar um crescimento contínuo, geralmente junto às estações, a ferrovia organiza e configura o espaço urbano da cidade. Em Francisco Morato os trilhos ferroviários dividem a cidade em duas partes, cada uma delas com uma dinâmica diferenciada para organização das casas, lotes e tendências. As ruas, os bairros e alguns órgãos governamentais carregam em seus nomes origens históricas que remontam ao tempo da formação da cidade, tais como: Rua dos Ferroviários, bairro Belém Estação, bairro Parque Belém, bairro Jardim Nova Belém, Escola Estadual Belém da Serra, Estância Belém ou ainda Bairro Estação. 

A partir da década de 1970, o município de Francisco Morato passou a atender uma nova demanda populacional proveniente da Grande São Paulo. Tanto que passa a ocupar a função de cidade abrigo para pessoas que trabalham nas indústrias ou não possuem condições de pagar os altos aluguéis em áreas mais próximas à capital paulistana. Do “povoado-estação” torna-se “subúrbio-estação”. Apresenta-se como aglomerações que asseguram as condições de reprodução da força de trabalho para Região Metropolitana de São Paulo – RMSP. Desde a formação do povoado que originou o atual município de Francisco Morato, o espaço urbano moratense se desenvolveu ao longo da ferrovia. Para o município, a ferrovia foi e continua sendo crucial por assegurar a acessibilidade e a mobilidade urbana entre as regiões paulistanas. Embora as atividades econômicas e os fatores que apóiam o desenvolvimento social do município sejam, ainda, reduzidos ou estagnados, o processo de ocupação do território moratense e seu crescimento populacional são contínuos. A topografia acidentada e a pouca infraestrutura moratense contribuem para que o preço da terra na cidade seja de baixo-médio custo. 

O desenvolvimento econômico da Cidade de São Paulo e dos municípios vizinhos, com oferta de empregos, intensificaram fortemente os fluxos migratórios o que contribuiu para a expansão de áreas urbanizadas e a formação de uma aglomeração residencial, características do modelo de periferização do município de Francisco Morato. A elevação dos custos de moradia em áreas mais próximas do emprego para determinados segmentos da população, faz com que muitos moradores residam em locais mais afastados, porém com boa acessibilidade garantida pelo transporte público promovido por linhas de ônibus ou ferrovias. Em Francisco Morato, parte da área urbanizada foi formada pela multiplicação de loteamentos populares. A divisão desses loteamentos resultou na separação entre a oferta de habitação para a população de baixa renda e a efetiva construção da cidade. Alguns loteamentos foram implantados na cidade em encostas ou várzeas, impróprias, em muitos casos, para a construção de residências. Isso compromete o equilíbrio ambiental e promove alto risco para os moradores. Muitos deles, em virtude do baixo poder aquisitivo, constroem suas moradias com estruturas e segurança inadequadas. 

A ocupação urbana de áreas inadequadas pode contribuir para a diminuição da infiltração de água no solo, o assoreamento dos leitos dos rios e reservatórios, o agravamento das enchentes e o incremento dos processos erosivos, além da evidente diminuição e degradação de áreas verdes. Atualmente, o município de Francisco Morato ainda dispõe de pouca infraestrutura urbana. Há ruas não asfaltadas e calçadas sem pavimentação e problemas socioeconômicos que persistem por anos. Embora a cidade de São Paulo manifeste em seu histórico o processo de metropolização (centralização), com crescimento de algumas cidades e o surgimento e expansão de periferias ao seu redor, se mantém como principal local de destino aos seus ex-residentes que continuam se deslocando em busca de trabalho.

Facebook: agnaldo.vidali
e-mail: agnaldovidali@gmail.com
Francisco Morato - SP
www.perfilmorato.com.br - Morato Minha Cidade

Uma cidade sem história é um território sem identidade.

Julio Cantuária

Posso dizer que a cidade possui um importante registro histórico a partir deste trabalho. Este site é de grande importância para a cidade.

Gilmar Castro da Sivla